aprenda a fotografar com os artigos do cala a boca e clica
Curso de introdução à fotografia do Cala a boca e clica
quais são as melhores cameras para 2013?

sábado, 20 de abril de 2013

Lomografia, brincando de fotografar


Fotografia nem sempre deve ser levada à sério. Tudo bem que tem muita gente que faz disto seu ganha pão e que estudou muitos anos para isto.

Por outro lado, a maioria das pessoas fotografa apenas por diversão, para preservar momentos especiais, ou não tão especiais assim. Hoje, qualquer telefone celular vem com câmeras, ou seja, é todo o mundo tirando foto de tudo.

A Lomografia traz um conceito semelhante, mas diferente. Revisitando algumas câmeras antigas, ou modelos novos com filme, é uma brincadeira para adultos.
O lema é "clique, não pense", por isto, muitas das câmeras são bastante simples, basta apertar o botão e pronto. Todavia, há também algumas câmeras mais complexas e que exigirão um pouco mais de conhecimento técnico, de qualquer modo, é diversão garantida.

Filme é cool!

Fotografar com filme não é sinônimo de Lomografia.
Ainda hoje, fotógrafos profissionais utilizam filme para propósitos estéticos, ou por causa dos custos (um fundo digital de uma câmera de formato médio pode custar 20 mil dólares ou mais).
Já a Lomografia usa o filme para criar efeitos psicodélicos, já que algumas das câmeras tem vazamentos de luz, e também para dar este ar vintage.

É uma brincadeira um pouco cara, convenhamos, mas os resultados podem ser legais.

Alguns modelos que você deve conferir

Fisheye

Uma boa lente fisheye, isto é, com ângulo de captura de imagem de 180º ou superior, para sua Reflex digital custará os olhos da cara.

Uma solução, para quem deseja brincar um pouco com este tipo de lente, é arranjar uma lomo Fisheye.


A qualidade ótica das câmeras lomos são de medianas para péssimas, mas assim você poderá experimentar e ver se compensa investir para valer numa lente desta para sua câmera digital. Se enjoar rapidamente da brincadeira, os gastos terão sido menores.

Panorâmica

As câmeras panorâmicas tiram, evidentemente, fotos panorâmicas.



A vantagem é que você não precisará tirar várias fotos e depois colá-las no Photoshop.

Vários quadros

Este tipo de câmeras tiram vários quadros seguidos e são muito divertidas para fotografar movimento.

Diana e Holga

Dois dos modelos mais populares da Lomografia são também a primeira incursão de muita gente no universo do formato médio, com filmes 120.


Com estes equipamentos rudimentares, é possível criar algumas imagens bastante únicas, sem nenhum tipo de pós-processamento.


Uma espécie de Instagram analógico.

Câmeras Russas

As câmeras soviéticas, muitas delas réplicas de famosas marcas ocidentais como Leica e Contax, foram extremamente populares nos países comunistas e hoje existem milhões delas à venda por aí, por preço de banana.


Eu tenho uma e sou fascinado pela qualidade de suas imagens e também por sua durabilidade.
As marcas mais baladas são: FED, Zorki, Kiev, Zenit e Smena para filmes 35mm, e a Lubitel para formato médio.

Todavia, como muitas destas câmeras não tem fotômetro e são completamente manuais, acabam sendo uma diversão para quem possui um pouco mais de conhecimento técnica de fotografia.

Comprando uma Lomo

A minha principal recomendação é olhar o modelo que mais o agrada na loja da Lomography.

http://www.lomography.com.br/

E procurar pelo mesmo modelo mais em conta no Ebay.

http://www.ebay.com/

Você quase sempre encontrará no Ebay com preços muito mais baratos que na loja oficial, principalmente as câmeras russas. Não pense que você estará sacaneando o pessoal da Lomography, pois são eles quem compram as câmeras baratas e revendem a preços astronômicos.

Só para se ter uma ideia, comprei duas câmeras russas (uma Zorki 3 e uma Zenit 3M), com a entrega, por 65 dólares no Ebay. Na loja oficial da Lomography, uma Zorki 1, um modelo inferior, estava custando 170 dólares.

O legal é entrar na brincadeira sem ser enganado.

***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.

domingo, 14 de abril de 2013

Fotografando em condições adversas - quais as recomendações?

Chuva em Nova York

Já falamos sobre os diferentes horários do dia para se fotografar, sobre as "hora douradas" e também sobre algumas condições climáticas especiais.

No entanto, nunca é demais tomar cautela em algumas circunstâncias, assim como saber o que esperar.

Chovendo


Geralmente, chuva é um balde de água fria para qualquer fotógrafo.

Se você pretende fazer retratos, talvez seja obrigado a ir para um ambiente fechado. Se for para fotografar paisagens, então a situação pode ficar bastante complicada.

Por outro lado, dias chuvosos também podem significar belas e interessantes fotos. Se você tiver uma câmera (e uma lente) resistentes à chuva, é só sair por aí clicando sem medo de ser feliz.

No entanto, se sua câmera é daquelas que jamais aguentariam um chuvisco, isto é, a maioria dos modelos de todas as marcas, o recomendável é encontrar algum lugar protegido, de onde você poderá fotografar. Alguns bons refúgios são de dentro de um carro, sob uma marquise ou pela janela.

Como fotografar os pingos da chuva?



Isto não é nada fácil, eu lhe garanto.

Se for uma chuva muito fraca ou fina, será quase impossível fotografar os pingos caindo. Já com chuvas mais fortes, é possível capturar as gotas usando o flash e com uma velocidade do obturador mais rápida, como 1/100, ou mais veloz.

Na imagem acima, é possível observar a chuva caindo no primeiro plano, enquanto os edifícios ficaram nítidos.



Já nesta segunda imagem, que foi um pouco mais complicada de ser obtida, o foco da lente foi obtido manualmente, para uma distância aproximada de uns 3 metros e, usando o flash, foi possível fotografar claramente as gotas mais próximas (aqueles risquinhos brancos).

Sol forte na praia


Um belo dia de sol na praia parece ser a condição ideal para uma boa foto. Contudo, não se engane. O reflexo do sol na areia branca ou no mar pode facilmente enganar o fotômetro de sua câmera, fazendo com que você exponha incorretamente a foto, subexpondo-a (escura demais).

Nestas circunstâncias, você terá duas opções:

1 - tirar duas ou três fotos até obter a exposição correta, o que nem sempre é fácil, pois o sol forte pode atrapalhar na hora de conferir o resultado no visor digital, ou



2 - fiar-se na tabela sol-16. Lembrando que esta tabela prevê que, num dia ensolarado, a exposição deve ser de velocidade do obturador igual a ISO para f/16.
"Credo, isto parece álgebra!", você deve estar gritando. Na prática, é muito mais simples. Se você estiver com a câmera em ISO 100, basta ajustar a velocidade do obturador para 1/125 e a abertura de diafragma para f/16.
Quase nunca falha.
Leia mais sobre o sol-16 aqui.

E não se esqueça que, se sua câmera não for à prova d'água, jamais mergulhe com ela no mar. Também é bom dar uma limpada na câmera e nas lentes depois, para tirar areia do equipamento.

Escuro demais

Situações nas quais você se depara com um cenário escuro demais criam dois problemas principais: 1 - consegui focar corretamente e 2 - decidir-se qual é a exposição correta.

Quando se trata de uma paisagem, como na imagem acima, você ainda terá a opção de fazer uma longa exposição, isto é, deixar o obturador aberto por vários segundos, ou até minutos, até conseguir a exposição desejada.


Contudo, se você estiver fotografando uma pessoa, a solução será usar o flash, alguma lente rápida ou jogar o ISO nas nuvens.
Na foto acima, foi usado um flash direto num salão escuro. Uma velocidade do obturador mais lenta permitiu também que a iluminação ambiente fosse capturada.


Já nesta outra foto, uma lente rápida permitiu obter a imagem mesmo com pouquíssima iluminação. No entanto, neste caso, o problema da focagem continua, às vezes obrigando o fotógrafo a usar o foco manual.

Nevando

Sei que não neva no Brasil, mas, se por acaso um dia você estiver em algum país que neva, certamente desejará preservar este momento.

Fotografar a neve caindo representa quase os mesmos desafios da chuva. Você precisará de uma velocidade do obturador mais rápida, além de ter de ser uma neve mais gorda.


Se for um dia ensolarado e você estiver fotografando uma paisagem nevada, valem as mesmas regras para um dia de sol na praia. A neve reflete a luz e pode confundir o fotômetro da câmera. Talvez sejam necessários alguns cliques até obter a exposição correta.

Por causa do frio, você também tem de prestar atenção à condensação.
Quando você passa de um ambiente muito frio para outro muito quente, o visor poderá embaçar, portanto, o melhor é guardar o equipamento na mochila, para que a variação térmica não seja muito grande, evitando assim também outros problemas que a condensação pode causar nas câmeras.

Não há porque ter medo de situações adversas, mas sempre preste atenção a estas recomendações. Depois, você se habituará a elas e já saberá como se comportar na chuva, no sol escaldante e até na neve.

***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.