domingo, 13 de janeiro de 2013

Os limites do Photoshop, ou você quer emborrachar as pessoas?


O Photoshop é uma das ferramentas mais poderosas para tratamento de fotos. Virtualmente, não há limites para o que você pode fazer com este programa.

Quer remover manchas?
Use o Photoshop.

Quer mudar a cor dos olhos de castanhos para azuis?
Use o Photoshop.

Quer pôr uma foto sua em cima do World Trade Center com um avião atrás vindo para acertar o prédio?
Use o Photoshop.


Quer criar uma imagem de um tubarão atacando um helicóptero?
Advinhe: use o Photoshop.

Agora, há uma diferença entre poder fazer qualquer coisa com o Photoshop e ter de fazer qualquer coisa.

Vejo muita gente abusando de alguns recursos e ferramentas deste programa, principalmente quando se trata de retoques em retratos.
Todos somos humanos, imperfeitos, que envelhecemos, aparecem rugas, pintas e mais uma porção de outros traços que se tornam nossas características com o passar dos anos.
Muita gente tem vergonha de seu próprio corpo ou rosto, e gostaria de ser diferente, mas até que ponto vale fazer uma foto sua, mas que não se pareça com você?

Queremos parecer mais bonitos nas fotos, não tenho dúvida disto, mas não quero me parecer com outra pessoa, nem comigo mesmo de 10 anos atrás.

Au naturel
Imagem com poucos retoques

Geralmente, depois de fotografar, eu só faço poucos retoques digitais nos arquivos. Nada além do que corrigir a exposição, o equilíbrio de branco, o contraste, brilho e a saturação, na maior parte das vezes diretamente no arquivo .RAW, antes de converter para .JPEG.
E isto é feito num outro programa, o Adobe Lightroom.

Quase nunca uso o Photoshop.

A foto acima, e o recorte ao lado, são provas disto. Foram feitos pequenos retoques, mas todas as minhas imperfeições naturais estão lá, as rugas, as marcas de expressão, as pintas e as manchas.

É assim que gosto das minhas fotos, as mais naturais e próximas da realidade possível. Não quero distorcer o que vejo, quero mostrar a beleza (ou a feiúra) real que há no mundo.

Que tal um pouco de botox?
Imagem com retoques moderados

Por outro lado, entendo que algumas pessoas prefiram dar uma guaribada no visual, escondendo alguns traços mais indesejáveis. Principalmente se estivermos falando de um álbum de noivas, ou para um catálogo de moda.
Neste caso, retoques moderados para fazer correções podem ajudar para alcançar este resultado.
Na imagem acima, usei a ferramenta "patch tool" do Photoshop para remover algumas marcas de expressão, principalmente na testa, uma espécie de "efeito botox".
Com esta mesma ferramenta, homogeneizei um pouco a textura da face, para disfarçar as manchas.

E só!

Ainda prefiro a foto original, mas esta não está nada mal, pois ainda preservou os poros e a textura normal da pele.

Emborrachando as pessoas
Imagem com retoques pesados

Por fim, chegamos à barbieficação! Isto é, tornando as pessoas numa criatura emborrachada como uma boneca Barbie.
Nesta sequência de fotos, utilizamos a ferramenta "spot healing brush" para remover as pintas no rosto e no pescoço, depois a ferramenta "blur" para suavizar completamente a textura natural da pele, deixando esta impressão de ser quase uma pintura a óleo.

Sinceramente, não me agrada nem um pouco o efeito final, apesar de nem ter exagerado tanto assim no pós-processamento. Já vi resultados muito mais artificiais por aí, inclusive com retoques pesados em bebês, que normalmente possuem peles lisas e homegêneas.

É evidente que o resultado dependerá muito do seu gosto pessoal e também do seu cliente, se você trabalhar com isto, mas bom senso nunca fez mal a ninguém.

Você costuma usar Photoshop? Qual das três fotos você prefere? Qual é o seu limite de pós-processamento de uma imagem?


***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.

  1. Olá Henry, parabéns pelo belo trabalho! Não sei dizer se é uma postura radical, ou mesmo se eu continuarei sempre com esta idéia mas eu resisto ao máximo à modificação das fotografias. Às vezes até o tratamento básico (ajustes de exposição, contraste...) me deixa meio incomodado. Talvez seja apenas por causa da linha de fotografia que eu tento seguir, mas isso realmente é algo que eu não aprecio, enquanto fotografia.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também já pensei assim, Marcelo. Não fazia nenhum tipo de retoque.

      Porém, depois de ter feito alguns workshops com uma fotógrafa de moda, comecei a fazer pequenos ajustes e isto deu um "tchan!" nas fotos. Isto não quer dizer manipulação digital pesada, mas somente ajustes de contraste, brilho, saturação e nitidez.

      Só lembrando que quase todos os grandes fotógrafos tinham suas fotos ajustadas na câmara escura, isto numa era pré-Photoshop.

      Abraços.

      Excluir
  2. Olá,
    Henry
    Sempre utilizei amplamente o Photoshop no tratamento de imagens na publicidade e aplicação no design gráfico, mas são mundos diferentes. Na fotografia tento manter a utilização do Photoshop para as correções que informou em seu artigo. Muitas vezes o fotografado pede para tirar algum defeito em específico e não hesito em atender, mas sempre são coisas mínimas.
    Mas o que gostaria mesmo de dividir com vocês foi uma experiência ruim que tive quando estava estudando algumas técnicas do Photoshop para transformar pessoas em bonecas de porcelana. As minhas cobaias foram a minha esposa e minha filha. Inicialmente fiz um tratamento fortíssimo em uma linda foto de minha esposa, o que culminou em um rosto surreal sem marcas de expressão e do tempo. Poros, manchas, irregularidades da pele, tudo foi retirado. Fiquei admirado com o resultado, apreciei por um bom tempo a imagem, então resolvi ver a imagem original. Eu tomei um susto, senti uma coisa horrível, a imagem original parecia de uma pessoa muito mais velha naquele momento, confesso que fiquei chocado. A experiência foi tão ruim que sai por alguns minutos para criar um distanciamento das imagens. Algum tempo depois apreciei novamente a imagem original. Para minha surpresa passei a achar a imagem linda novamente, sem a referência da imagem transformada. Fiquei muito bolado com isso e repeti o processo com uma foto de minha filha de 6 anos, que também é linda, tem um rosto de boneca, sem defeitos da idade. Para mim foi um desastre novamente. Depois de apreciar a foto tratada de minha filha, novamente a original me pareceu ruim, de uma pessoa mais velha. Ainda não consigo explicar o motivo disso, acho que preciso de mais cultura para entender completamente o ocorrido. Agora estou ainda muito mais criterioso com os tratamentos das imagens que realizo no Photoshop e com a imagem das pessoas. Certamente se tivesse apresentado as imagens para minha esposa e minha filha eu teria prejudicado a alta estima delas. Acho que é isso que muitos reclamam dos estereótipos artificiais que são criados e maciçamente divulgados como o da Barbie.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante o seu relato, João. Penso da mesma maneira. Nunca fui um grande adepto destes retoques nos Photoshop, e acho muito estranho quando vejo certas fotos completamente artificiais.
      É como se a pós-edição criasse um mundo completamente diferente do real.

      Abraços.

      Excluir
  3. Parabéns pelo seu trabalho.

    Aguardo sempre por cada post novo.

    Seu curso para iniciantes de fotografia é o mais claro que já vi!!!!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela visita, Renato, e continue acompanhando nossos artigos.

    Abraços.

    ResponderExcluir