aprenda a fotografar com os artigos do cala a boca e clica
Curso de introdução à fotografia do Cala a boca e clica
quais são as melhores cameras para 2013?

sábado, 31 de dezembro de 2011

Compartilhe conosco as fotos do seu Ano Novo

New Year's Eve in Central Park

Vai passar a festa de Ano Novo em algum lugar interessante? Vai assistir à queima de fogos? Ou tirou alguma foto muito linda no dia 31 de dezembro ou no dia 1 de janeiro?

Então por que não compartilha conosco as fotos mais bonitas que você tirou?

New Year's Eve in Central Park - Fireworks

Você pode enviar o link de sua foto através do comentário desta postagem, em nossa página do Facebook, no Twitter @calabocaeclica, ou em nosso grupo do Flickr até o dia 5 de janeiro.

Publicaremos as três melhores fotos no dia 6 de janeiro de 2012, aqui no blog Cala a Boca e Clica!

Participe e um feliz Ano Novo para você e sua família!



***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Vamos invadir sua praia! Você, sua câmera e suas fotos nas férias de verão

Porto de Galinhas - PE

Vem chegando o verão e você está indo para a praia, doido para arrasar nas fotos. Junto com as dicas para fotografar melhor em suas viagens e como fotografar grupos nas festas, este é o terceiro artigo de fotografia para ajudá-lo a tirar fotos mais bonitas em suas férias.

Esteja você indo para o Guarujá, seja para o Nordeste do Brasil, seja para Punta del Este ou até mesmo para a Costa Amalfitana (no verão europeu), as dicas que se seguem servirão para que você exponha suas fotos corretamente e possa retratar melhor seus passeios.

Expondo a imagem com precisão


Suponho que, se você se interessa por fotografia, você esteja usando o Modo Manual da sua câmera Reflex ou da sua compacta avançada e, por isto, que também já saiba como utilizar o fotômetro para expor sua foto.
O que você logo descobrirá ao fotografar na praia é que, se você obedecer cegamente o medidor do fotômetro de sua câmera, muitas de suas fotos ficarão escuras. Isto se deve porque a areia da praia e a água do mar são superfícies mais reflexivas do que o normal, então o medidor de luz da sua câmera identifica a claridade excessiva e indica um ajuste para isto, que quase sempre subexporá a foto.

Como evitar isto?

Maragogi

O mais fácil é você tirar uma primeira foto, ver se ficou escura ou exposta corretamente, e ajustar a velocidade do obturador ou a abertura de diafragma para a exposição adequada.

A segunda opção, se for um dia ensolarado na praia, é ajustar sua câmera meio stop ou até um stop mais claro do que indica o fotômetro, por exemplo:

Se o fotômetro indica que a exposição correta na praia é 1/500 f/8 ISO 100, você pode ajustar para 1/250 f/8 ISO 100 e ver como fica a foto.

A terceira opção é você tirar fotos escuras mesmo e arrumar depois em algum editor de imagens, como o Adobe Ligthroom ou o Photoshop, mas o ideal é tirar a foto bem exposta diretamente na câmera.

Fotografando em movimento ou de algo se movendo

Dunas de Marapé - AL

Se você estiver dentro de um veículo em movimento, seja em um carro, um bugue, um ônibus, ou até mesmo num barco, e quiser fotografar alguma pessoa, paisagem ou objeto, o ideal é que você ajuste a velocidade do obturador o mais rápido possível, para evitar que a foto fique borrada.
Para tanto, você deve configurar a abertura de diafragma para a maior possível que sua lente permita e, se for necessário, subir um pouco o ISO para 200 ou até 400.

A não ser que você queira dar a sensação de movimento, então você pode manter a velocidade do obturador mais lenta, como 1/50 ou até 1/30.

Pipa - RN

No caso da foto acima, do rabo do golfinho, eu estava dentro de um barco em movimento, com o golfinho longe pulando para fora da água e com uma lente telefoto de 300mm, que por si só já necessita de uma velocidade rápida do obturador, além do enjoo!
Conseguir obter uma boa imagem nestas condições era quase um trabalho de franco-atirador.

Lembre-se da Regra dos Terços

Praia do Gunga

Quando você for fotografar paisagens, com a linha do horizonte no fundo, a Regra dos Terços é essencial.
Evite centralizar o horizonte do quadro, o melhor é que o horizonte esteja na metade inferior (como na foto acima), ou na metade superior (como na foto abaixo).

Natal - RN

Esta regra ajuda a criar uma hierarquia de interesse, determinando o que é mais importante no quadro, se é o céu ou se é o que está abaixo.

É óbvio que você poderá aplicar várias das outras regras do nosso Curso de Introdução à Fotografia, mas a Regra dos Terços é essencial nestes casos.

Os melhores horários do dia

Mundau - CE

Os melhores horários para se fotografar no litoral são exatamente os mesmos que em qualquer outro tipo de fotografia: de manhãzinha ou ao cair da tarde.
Meio dia é o pior horário para se fotografar, por causa das sombras fortes e curtas, do contraste fortíssimo e também por causa dos perigos do sol deste horário. Não se esqueça de passar o protetor solar também!

Maragogi

No entanto, para fotografia subaquática, o horário de meio dia é o melhor, pois a luz entra diretamente na água, iluminando melhor o fundo e os peixes.

O milagre da luz de preenchimento

Eu em Barceloneta
(1/250 f/9 ISO 100, com flash embutido, por Denise Nappi: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6589357667/)

O primeiro grande equívoco dos leigos em fotografia é pensar que flash é apenas para se fotografar à noite.
Na minha experiência, o flash embutido da câmera é muito mais útil durante o dia do que à noite, pois é uma ótima maneira para se obter uma luz de preenchimento.

Mas o que é luz de preenchimento?

Basicamente é uma segunda fonte de luz usada para amenizar as sombras, que pode tanto ser um flash, quanto um rebatedor ou até uma parede branca. Qualquer coisa que sirva para suavizar as sombras de uma luz principal.
A vantagem de utilizar o flash embutido da câmera para isto é que se trata de uma luz tão fraca que dificilmente conseguirá sobrepujar a luz do sol.
No caso da foto acima, o sol estava às minhas costas, ou seja, o meu rosto estaria totalmente nas sombras, mas, com o flash embutido da câmera, foi possível suavizar as sombras, tornando a foto melhor.

Vai por mim: da próxima vez que for fotografar alguém sob sol forte, use o flash de sua câmera e veja o resultado (mas não pode ser muito de longe, pois este tipo de flash não tem tanta potência assim...).

Uma câmera à prova d'água é super legal!

Câmera Compacta - Maragogi

Lembre-se, sua câmera Reflex ou compacta avançada não pode entrar na água! A não ser que você tenha um acessório específico para isto (e que costuma custar mais caro do que a própria câmera).

No entanto, se você tiver a possibilidade de comprar uma câmera à prova d'água, mesmo que seja de filme, eu lhe garanto que é muito legal.

Câmera Compacta - Maragogi

Primeiro, por causa da reação das outras pessoas quando você entra com a câmera no mar. De longe, você já pode ouvir os outros falando: "Putz! Já era a câmera!"

Depois, que é uma maneira diferente para registrar seu passeio, seja no mar ou na piscina, sem preocupar-se em molhar seu equipamento e adeus àquela cacetada de dinheiro que você gastou!

Eu recomendaria os modelos de câmeras compactas à prova d'água da Panasonic, mas a Olympus, a Pentax e Canon também fazem parte deste jogo.

E nunca se esqueça de, assim que sair do mar ou da piscina, lavar bem sua câmera em água corrente e remover quaisquer resíduos de areia.

Carregando uma câmera compacta

Porto de Galinhas

Recomendo que, sempre que você for viajar, além de levar a sua Reflex ou a sua melhor câmera, leve também uma compacta pequena e discreta.

Nem sempre será possível sair fotografando com uma câmera que chame atenção, seja porque algumas cidades ou áreas são perigosas, seja porque você quer capturar uma imagem com discrição.

Você nunca sabe quando encontrará uma imagem interessante para fotografar.

Cuidando de seu equipamento

Dunas de Marapé - AL

Tirar fotos na praia é uma das raras circunstâncias nas quais eu recomendo limpar a câmera diariamente, para remover areia que pode ter entrado na lente ou no sensor da câmera.

Ao final de cada dia, desmonto a câmera e faço uma limpeza geral. Você ficaria impressionado com a quantidade de areia que você encontrará.

Só lembrando que, se sua câmera não for à prova d'água, jamais tente entrar no mar com ela!


***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Fotografando a galera durante as festas

Encontro dos mãos de vaca em NY
(1/250 f/1.8 ISO 400, com flash externo, foto por Gabriel Simão: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6209034839/)

Estão chegando as festas de fim de ano e agora é a hora de reunir a família, toda a parentada e os amigos para celebrar.

Fotografar grupos não é nada fácil, por alguns motivos:

1 - sempre tem alguém que fecha o olho;

2 - sempre tem alguém que está olhando para o outro lado;

3 - como alguém precisar tirar a foto, ou a pessoa tem de:
a) ficar fora da foto, ou;
b) por no timer e sair correndo para entrar no quadro.

4 - geralmente as condições de iluminação não são das melhores, assim é quase obrigatório o uso do flash, que, por si só, já é um pepino à parte.

Quanto mais elementos, neste caso, pessoas, você tiver de prestar atenção, maior será a possibilidade de que alguma coisa não saia bem, mas, mesmo assim, se você não estiver fotografando profissionalmente estes grupos, você pode se dar um desconto.
Agora, se você estiver sendo pago para isto, tudo precisa sair perfeito!

O dois erros básicos ao se fotografar grupos

Tudo no mesmo plano

Fotografando grupos 4
(1/40 f/4.5 ISO 400, com flash embutido: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6560189933/)

Este é um equívoco em qualquer tipo de foto, seja de objetos, seja de paisagens, seja de casais, seja de grupos.
Numa imagem, você precisar criar uma hierarquia de interesse, conduzindo o olhar o espectador através da foto, obrigando-o a prestar atenção em cada um dos elementos.
A fórmula de uma foto sem graça é deixar tudo no mesmo plano, tudo quadradinho, tudo alinhado.
Veja a foto acima, não é uma foto mal tirada, a exposição está correta, o flash não ficou estourado, mas não é uma imagem interessante. Todas as pessoas estão no mesmo plano, não existe uma ordem de atenção.

Fotografando grupos 7

Neste segundo caso, a própria diferença de altura entre as pessoas já serviu para criar uma distribuição mais atraente para a foto (que é o mesmo caso da primeiro foto no começo).
Se você se lembrar do artigo sobre linhas e formas, verá que, se uníssemos as cabeças das pessoas na imagem, formaríamos uma espécie de triângulo, compondo uma forma reconhecível e interessante.

Uso incorreto do flash

Fotografando grupos 5
(1/36 f/3.7 ISO 183, com flash embutido: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6560186563/)

O uso adequado do flash da câmera é, na minha opinião, um dos aspectos mais avançados da fotografia. Ao incluirmos um iluminação artificial, criamos sombras, reflexos e efeitos que raramente temos como prever antes de tirarmos a foto.

A imagem acima, por exemplo, não está exatamente mal enquadrada (provavelmente, seu fosse o fotógrafo, teria esperado a garçonete no canto superior direito sair do quadro), porém, como era um ambiente interno com pouca iluminação, foi necessário o uso do flash embutido da câmera.

O que aconteceu?

A luz do flash primeiro atingiu a toalha da mesa, que ficou branquíssima. A medição da câmera determinou que o que era importante de se ver eram as duas primeiras pessoas na mesa, por isto, a potência do flash só expos corretamente estes dois primeiros elementos. A medida em que as pessoas se afastam do luz do flash, temos menos iluminação, e elas ficam subexpostas (escuras).
Por fim, temos um reflexo do flash no vidro lá no fundo, que é bastante comum em fotos amadoras com flash (às vezes, é quase inevitável e imperceptível).

No entanto, nesta situação, utilizando o mesmo ponto de vista, a única solução seria um flash externo, que pudesse ser rebatido no teto, iluminando todas as pessoas da mesa. Uma outra opção seria elevar o ISO da câmera ao máximo, porém, por se tratar de uma câmera compacta, o ruído digital seria muito grande e indesejável.

Fotografando grupos 2
(1/60 f/4 ISO 400, com flash embutido: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6560222133/)

Nesta segunda foto, temos um ponto de vista bastante parecido, mas a imagem ficou muito mais natural.
O uso do flash embutido ainda criou certos efeitos indesejáveis, como as fortes sombras, mas, mesmo assim, com um ISO mais alto e uma iluminação ambiente melhor, foi possível obter uma foto mais agradável.
Além disto, existe uma ordem na imagem que conduz o olhar, começando com a pizza no canto inferior esquerdo e seguindo pela extensão da mesa até o fim. Já é uma foto muito mais interessante.

Autorretratando o seu grupo

Grupo Boneco de Neve
(1/500 f/4.5 ISO 100, com tripé: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6560363665/)

Se você é do tipo que não pode ficar fora da foto, mas também costuma ser o fotógrafo das confraternizações, você provavelmente abusará do timer de sua câmera.

Praticamente todas as câmeras compactas e Reflex possuem uma função de timer, geralmente com duas opções: de 2 e de 10 segundos.

Se você estiver fotografando um grupo e quer aparecer também na foto, acredito que, na maioria das circunstâncias, terá de programar para 10 segundos, assim você terá tempo de correr e mesclar-se com as demais pessoas.

Nestes casos, você precisará de um tripé para apoiar a câmera, ou posicioná-la em alguma superfície plana, como uma mesa, uma estante, cadeira ou até mesmo no chão, em último caso.

Fotografando grupos 6
(1/40 f/4 ISO 400, com flash externo e tripé: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6560176509/)

Ao autorretratar o seu grupo, você precisa ajustar a sua câmera previamente e já compondo a imagem pensando onde você ficará na foto. Além disto, uma alternativa é fazer o ajuste do foco manualmente, pois assim você evita que, na hora de pressionar o botão do obturador, a câmera focalize em algum outro elemento que não as pessoas.

Fotografando grupos 1
(1/200 f/4 ISO 200, com flash embutido: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6560231791/)

Nem sempre será possível tirar autorretratos extraordinários de grupos, ainda mais se você não tiver um tripé e/ou um flash externo, pois, neste caso, você dependerá do ambiente no qual você está.

Na imagem acima, por exemplo, tive de apoiar a câmera sobre o balcão da cozinha e, por isto, apareceu aquela coisa (que não sei o que é) no canto inferior esquerdo que, para mim, é uma grande distração na imagem. Além disto, se houvesse a possibilidade, também teria tirado a foto de costas para aquela janela ao fundo, pois isto facilitaria a exposição e deixaria a foto mais bonita.

E, como você deve ter percebido nas imagens mostradas, um flash externo faz bastante diferença na qualidade da iluminação.

Considerações finais

Megaencontro dos Mãos-de-Vaca em São Paulo
(1/60 f/4.5 ISO 200, com flash embutido: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/4828614991/)

E não se esqueça que, nestas festas e confraternizações, você está lá para se divertir, rever a família e os amigos. Não precisa ficar tão histérico tirando fotos de tudo. Nestas situações, a fotografia é apenas uma maneira de registrar estes momentos juntos, para relembrarem no futuro.

A não ser que você esteja trabalhando, então é outra conversa!

Fotografando grupos 3
(1/200 f/4 ISO 400, com flash externo: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/6560205467/)

E só um lembrete: se você pedir para alguém, o tio, a prima ou o cunhado, tirar uma foto do grupo com sua câmera ultramodernosa, faça um favor para ele: ponha no Modo Automático.
A foto até pode não ficar das melhores, mas ninguém é obrigado a saber mexer no seu equipamento, só você mesmo.

Um feliz Natal e que o próximo ano seja ainda melhor do que este!


***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Tirando fotos de sua viagem como um profissional

Cala a Boca e Clica! - Curso de Introdução à Fotografia

Aproveitando o lançamento do Curso de Introdução à Fotografia do Cala a Boca e Clica!, vamos lhes dar algumas dicas para tirar fotos de suas viagens como se você fosse um profissional, deixando seus amigos e parentes de queixo caído.

1 - escolhendo a câmera certa para você

Câmera Reflex

Não adianta nada você sair comprando aquela câmera hiper-mega-ultra-superpoderosa, se você não souber como utilizá-la bem, nem esteja disposto a aprender como usá-la.
Também não vá muito atrás dos vendedores de câmeras (a única exceção são os da B&H Photo, em Nova York, que são verdadeiros experts), pois geralmente eles não entendem nada de fotografia nem de câmeras.
Se você é apenas um hobbista, que só fotografa em datas especiais e não quer se dedicar muito à fotografia, uma câmera compacta ou uma compacta avançada já é mais do que o suficiente.
No entanto, se você prefere dar um passo além, compre uma Reflex da Canon ou da Nikon e comece a estudar.

2 - aprenda a mexer em sua câmera

Camera compacta

Assim que você comprar uma câmera nova, experimente bastante antes de sair fotografando sua viagem ou algum evento (isto se você se profissionalizar). Leia o manual da câmera do começo ao fim e descubra quais são as funções dela.
Aprenda a controlar o equilíbrio de branco (White Balance), controle de Exposição (Exposure), ISO e, se ela tiver Modo Manual, onde ficam os controles de velocidade do obturador e abertura de diafragma.

Se eu estiver falando grego para você, está na hora de ler o Curso de Introdução à Fotografia.

3 - selecione os melhores horários do dia

East Village

Meio-dia é o pior horário para se fotografar, pois as sombras ficam fortes demais e as pessoas ficam com "olhos de panda".
O ideal é escolher uma das duas "horas douradas", isto é, o nascer ou o pôr do sol, ou fotografar de manhã e à tardezinha, pois a iluminação é mais bonita e as sombras mais agradáveis.
Dias nublados também são ótimos para fotografar retratos.

Intro 12 - Brooklyn Bridge

Já fotografia noturna é um mundo à parte. A maioria das câmeras compactas tem um péssimo desempenho em situações com pouca iluminação e você terá um monte de fotos borradas se não tiver um tripé.

4 - aprenda a compor uma bela foto

Regra dos Terços

Os princípios de composição podem ser utilizados por qualquer pessoa, esteja ela com uma câmera boa ou com uma porcaria.

A Regra dos Terços poderá melhorar bastante o enquadramento das suas fotos, basicamente, basta dividir o quadro de uma imagem em nove seções (como a foto acima) e posicionar o tema principal, a pessoa, a atração turística, o animal, ou qualquer outra coisa, nas interseções das linhas.
Quase sempre centralizar o tema da foto é sinônimo de uma imagem sem graça.

Lower East Side

Além disto, explore diferentes pontos de vistas e utilize linhas, formas, cores e perspectiva para criar uma hierarquia de interesse numa foto.

5 - tire fotos de tudo

Tony Roma`s de Lima

Incorpore o tipo "dedo nervoso" e tire fotos de tudo. Tire fotos dos prédios, de sua família com os prédios, das pessoas nas ruas, dos animais, das lojas, das comidas, do bilhete de entrada no museu, do mercado, tire fotos de longe e de perto, de cima e de baixo, tire o maior número de fotos possíveis (e sempre carregue um cartão de memória extra!).

Homeless in NY subway

Quanto mais fotos você tirar, melhor você ambientará sua viagem depois e mais fácil será para se lembrar pode onde você passou e o que tanto você viu. E ainda poderá dar belas risadas das cenas estranhas que vivenciou.

6 - descarregue sua câmera diariamente (se possível)

Se você é como a gente, que carrega o notebook para onde vamos, o ideal é sempre passar as fotos para o computador no final de cada dia de sua viagem. Assim, você evita encher o cartão de memória e perder tempo, e às vezes imagens preciosas, tendo de repassá-las todas procurando quais você pode apagar.

7 - só mostre para as pessoas as melhores fotos

Times Square

Controle-se e não cometa o erro de mostrar para seus amigos todas as 1500 fotos que você tirou da sua viagem para a Disney.
Primeiro, porque ninguém tem saco para prestar atenção em todas, depois porque, com certeza, haverá dezenas de fotos iguais ou muito semelhantes. Selecione apenas umas 30, somente as melhores de todas, e mostre aos outros apenas estas fotos.
Quanto melhor você escolher, mais as pessoas ficarão impressionadas com suas fotos.

Lembre-se, tanto os fotógrafos bons quanto os ruins tiram fotos ruins, mas os bons fotógrafos são aqueles que só mostram as fotos boas.

8 - Compre o Curso de Introdução à Fotografia do Cala a Boca e Clica!

Cala a Boca e Clica! - Curso de Introdução à Fotografia

Se você se interessa por fotografia, mas acha que é muito complicado para aprender sozinho e acha caro pagar um curso, compre então o Curso de Introdução à Fotografia do Cala a Boca e Clica!

Ali, você encontrará todas as informações, desde como escolher a melhor câmera fotográfica para você, tods os fundamentos e as principais técnicas para obter fotos melhores, além de vários exercícios práticos.

Suas fotos nunca mais serão as mesmas!

Texto publicado originalmente no site Viagens para Mãos de Vaca


***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Lente melhor: foto melhor?

East Village
(foto tirada com uma lente Canon 70-200mm f/4 L: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/4079252358/)

Sem dúvida, você já deve ter ouvido muito que o que faz uma boa foto não é uma câmera boa, mas sim uma lente boa.
Antes de tudo, o que faz uma foto ser boa ou não é o fotógrafo, o equipamento apenas o ajuda a expressar melhor a visão dele e, neste sentido, um equipamento melhor poderá significar uma qualidade de imagem superior.

Em grande parte, a recomendação de muitos fotógrafos para investir em lentes, e não no corpo da câmera, deve-se a um fator muito pragmático: as câmeras se tornam obsoletas rapidamente, enquanto as lentes durarão por muito mais tempo. Além disto, uma lente de altíssima qualidade poderá fazer a diferença na hora de capturar os detalhes e as cores daquilo que você está vendo.

Por que comprar lentes melhores?

Astor Place
(foto tirada com uma lente Canon 70-200mm f/4 L: http://www.flickr.com/photos/henrybugalho/4078499507/)

1 - qualidade ótica incomparável
Você ficará surpreso com a riqueza de detalhes que uma boa lente pode registrar.

2 - autofoco mais rápido
Isto pode representar a diferença quando se trata de fotografar alguma coisa em movimento. Se o autofoco for muito lento, ou impreciso, você poderá perder a imagem ou focar em algum outro elemento que não o desejado.

3 - maior durabilidade
Comumente, as lentes melhores possuem uma construção mais reforçada, algumas são à prova de clima, como chuva, neve, frio ou calor extremos. Para quem usa bastante o equipamento, ou está sempre se enfiando em mato, montanha ou praia, uma lente mais reforçada ajuda.

4 - bokeh mais agradável
As lentes melhores costumam proporcionar um bokeh (aquele desfocado no fundo) mais bonito.

5 - maior precisão
Os controles das lentes melhores, como de foco manual ou zoom, são mais precisos e suaves de se manusear. Em lentes mais baratas, o controle pode ser difícil ou impreciso.

6 - menos aberração cromática e flare
Aberração cromática é uma distorção causada por uma falha da lente em fazer as cores da luz convergirem no mesmo ponto, isto causa uma aura púrpura ou azulada ao redor de contornos, principalmente em situações de grande constraste. Chega a ser bastante problemática em lentes grande-angulares.
Flare é quando aparecem aqueles círculos de luz causado por reflexos nos elementos internos da lente. Lentes mais bem construídas tendem a ter um controle maior tanto de aberração cromática quanto de flare.

Lentes mais cara são melhores?

Via de regra sim. Infelizmente. Você deve pensar que não é à toa que algumas lentes custam 5 ou 10 mil dólares. Qualidade tem um preço, e custa caro!

Mesmo assim, é possível encontrar lentes incríveis em praticamente todas as faixas de preço. Entre as mais baratas estão as lentes 50mm, com grandes aberturas, como f/1.8, com qualidade ótica comparável a linhas melhores.
Na série L da Canon é possível encontrar boas lentes a partir de 600 dólares, ou menos se você comprar usada, como a extraordinária lente 70-200mm f/4 L, com uma qualidade ótica de cair o queixo.

Comparação de algumas lentes

Canon lenses (and a Sigma one)

Para você ter uma noção, fiz uma comparação com algumas lentes que possuo, algumas terríveis e outras excelentes, comparando-as em suas respectivas distâncias focais.
As lentes utilizadas foram: Canon 17-40mm f/4 L, Sigma 28-70mm f/2.8-4 DG, Canon 50mm f/1.4, Canon 70-200mm f/4 L, Canon 75-300mm f/4-5.6 II.

Nestas fotos que se seguem, foram utilizadas exatamente as mesmas configurações da câmera, 1/500 f/8 ISO 100. Não houve retoque digital.

28mm
Começamos o teste em 28mm, a distância focal mínima da Sigma 28-70mm f/2.8-4 DG, para compararmos com a Canon 17-40mm f/4 L, uma grande angular extraordinária da série L.

sigma vs canon 28mm

À primeira vista, as duas fotos são bastante parecidas, excetuando que a segunda, com a lente Canon, parece ser um pouco mais clara.

No entanto, quando fazemos um recorte de 100% na foto, podemos notar maiores diferenças.

sigma vs canon 28mm crop

Repare como há perda de detalhes na foto tirada com a lente Sigma, parece que a foto é até um pouco nevoenta. Se você ampliar a foto e se aproximar da porta do prédio, verá na imagem com a Sigma algumas linhas diagonais púrpura, que é causa pela aberração cromática da lente. O mesmo não ocorre com a lente da Canon.

50mm
As fotos que se seguem foram tiradas ainda com a Sigma 28-70mm f/2.8-4 DG, e comparada com uma lente Canon 50mm f/1.4, uma das melhores lentes da Canon dentro de sua faixa de preço, na minha opinião.

sigma vs canon 50mm

Novamente, à primeira vista, as fotos são bastante parecidas, mas quando fazemos um recorte de 100%, as diferenças são gritantes.

sigma vs canon 50mm crop

Neste segundo recorte, você pode perceber muito mais claramente a aberração cromática na porta da foto tirada com a Sigma, enquanto os detalhes estão melhor preservados com a 50mm da Canon.

200mm

É até deslealdade comparar uma das melhores telefotos (e das mais acessíveis) da série L da Canon, 70-200mm f/4 L, com esta outra telefoto também da Canon, barata, mal construída e com qualidade ótica que deixa a desejar, a 75-300mm f/4-5.6 II.

canon 200mm vs 300mm

Logo de cara já da para notar os detalhes melhor preservados pela Canon 70-200. Compare as texturas do prédio e você perceberá.
No entanto, quando fazemos um recorte de 100%, as diferenças chegam a ser ridículas de evidente.

canon 200mm vs 300mm crop

Quando ampliadas, a foto tirada com a lente 75-300mm parece meio borrada, quase como se estivesse um pouco fora de foco, também é possível perceber a aberração cromática nos contornos, uma tênue aura púrpura; já na da 70-200mm, os detalhes estão minuciosamente preservados, isto porque esta foto foi tirada a uma distância de quase 60 metros do prédio, talvez até um pouco mais longe.

Comparação de Bokeh

Por fim, fiz uma comparação de bokeh com duas lentes, a Sigma 28-70mm f/2.8-4 DG e a Canon 50mm f/1.4, com a mesma abertura f/4 (que era a máxima da Sigma na distância focal de 50mm).

bokeh comparison

Logo, é possível perceber sutis difereças de uma foto para outra, principalmente em se tratando de detalhes, mas que ficam evidentes quando ampliamos em 100%.

bokeh comparison crop

Repare na riqueza de detalhes e na textura que foram preservadas pela Canon 50mm. Na verdade, com esta abertura de f/4, não pudemos notar grandes diferenças no bokeh (no desfocado), mas, como a Canon 50mm chega até a f/1.4, esta é uma profundidade de campo bastante rasa e que permite uma grande uso criativo desta lente.

Conclusão

Para muita gente, isto pode parecer detalhes que farão pouca diferença para um leigo que veja as fotos. No fundo, é verdade.
No entanto, são os detalhes e as sutilezas que, às vezes, podem transformar uma foto boa numa imagem memorável.
Uma boa lente e uma boa câmera não farão milagres por si só, não se engane. Todavia, um bom equipamento nas mãos da pessoa certa é capaz de capturar fotos extraordinárias, que expressam todas as maravilhas da natureza e das pessoas.

Vale a pena gastar um pouquinho mais e comprar uma lente legal?

Vale! Se você gosta de fotografia, interesssa-se pelo assunto e deseja se aperfeiçoar, não vejo porque se contentar com lentes inferiores.
Mas, se fotografia for apenas um passatempo e usada para retratar as festas da família e suas viagens, não comprometa seu orçamento com um equipamento caro e que não terá tanto uso: utilize a lente do kit de sua Reflex e divirta-se.

E junte-se ao nosso grupo do Cala a boca e Clica! no Flickr.



***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.