aprenda a fotografar com os artigos do cala a boca e clica
Curso de introdução à fotografia do Cala a boca e clica
quais são as melhores cameras para 2013?

domingo, 26 de junho de 2011

Introdução à fotografia 12 - usos criativos da velocidade do obturador

Intro 12 - Brooklyn Bridge

Já vimos o que é a velocidade do obturador e como ele funciona quase da mesma maneira de nossas pálpebras. Também aprendemos como as diferentes velocidades do obturador influenciam na imagem final, se congelará o movimento ou se deixará a imagem borrada.

Neste artigo, apresentaremos alguns usos criativos da velocidade do obturador, diante de diferentes situações.

Congelando o movimento
Intro 12 - congelando o movimento

Para congelar o movimento, seja de uma criança correndo, de um pássaro voando, de um carro de corridas ou da neve caindo, você precisará fotografar com uma velocidade de obturador rápida.

Por exemplo, na foto acima, da água de um chafariz, foi uma usada uma velocidade de 1/1600 de segundo, ou seja, quase dois milésimos de segundo, para obtermos esta sensação de uma água cristalizada, quase como se fossem pedras de gelo. Se houvéssemos utilizado uma velocidade lenta demais, a água teria ficado borrada, dando uma sensação maior de movimento, sem congelar as gotículas que caem e sem capturar os detalhes da água projetando-se no ar.

Intro 12 - Helicóptero

Já na foto acima, a ideia era congelar o movimento das hélices do helicóptero, dando a sensação de ser um brinquedo imóvel suspenso sobre o prédio. Para isto, a velocidade do obturador foi ainda mais rápida, de 1/2500 de segundo.

Blizzard in New York

A velocidade do obturador necessária para congelar os flocos de neve não é tão alta quanto das fotos anteriores, mas, mesmo assim, ainda é bastante rápida, de 1/320 de segundo. Outros fatores determinantes para se obter uma foto como esta são os tamanhos dos flocos, quanto maiores, melhor, e também o contraste com o segundo-plano - se o fundo fosse de branco ou de uma cor clara, o flocos de neve não seriam tão perceptíveis, como você pode notar na chão ou na van à direita.

Longa exposição
Intro 12 - east harlem

Longa exposição é quando o obturador fica aberto durante um longo tempo para poder capturar mais luz.
Quase sempre será necessário utilizar um tripé, caso você não queira que sua foto fique borrada, apesar de nem sempre o tripé ser uma garantia total, pois, se a exposição for muito longa, até o vento que bate em sua câmera pode causar um ligeiro tremor na foto, principalmente com lentes telefoto.
A foto acima, tirada numa rua relativamente escura, utilizou uma velocidade de obturador de 30 segundos. Isto mesmo, 30 segundos! Você aperta o botão da câmera, a cortina do obturador se abre, e você espera, espera e espera... 30 segundos depois, você tem a foto.
Os rastros luminosos na rua são dos faróis dos carros, pois, por ficar com o obturador aberto por tanto tempo, o sensor da câmera registra todas as luzes que passam pelo quadro.

Já a foto no topo, da Brooklyn Bridge, utilizou uma exposição bem mais breve, de 1.3 segundos, tempo necessário para ressaltar a iluminação já existente na paisagem urbana.

Nos primórdios da fotografia, exposições longas era muito mais habituais, às vezes de várias horas, pois a sensibilidade (ISO) dos filmes ou chapas fotográficas eram muito baixas. Mas, com uma câmera Reflex, ainda hoje é possível fotografar com exposição de vários minutos, dependendo da escassez da iluminação ambiente.

Panning
Intro 12 - panning 2

Panning é uma técnica bastante específica para congelar o movimento de um elemento na foto, mas ainda dar a sensação de movimento.
Ela é sempre tirada com a velocidade de 1/15 de segundo e o segredo está em acompanhar o sujeito da foto com a câmera que passa por você numa ângulo de 90 graus, ou seja, alguém que passe pela sua frente da direita para a esquerda (ou vice-versa), e não que venha em sua direção ou que se afaste de você.

Intro 12 - panning 1

Para tanto, você deve ajustar a velocidade do obturador em 1/15, e as demais configurações de abertura e ISO como indicar o fotômetro e aguardar que o sujeito passe diante de você. Você o acompanha com a câmera, aperta o botão para fotografar, e continua acompanhando-o até ouvir o clique.
Você terá o objeto em movimento com nitidez (ou praticamente nítido) e o fundo ficará borrado, dando uma sensação interessante de movimento.

Geralmente, esta técnica funciona melhor com veículos com rodas do que com pessoas ou animais, pois as pernas ou patas tendem a ficar borradas e disformes.

Exercícios práticos
1 - Em modo manual, tire fotos de objetos em movimento - carro, avião, esporte, animais, chafariz, etc - com a velocidade do obturador necessária para congelar o movimento.

2 - Em modo manual, tire fotos à noite em longa exposição (com velocidades do obturador superiores a 1 segundo) e confira o resultado. Se você não possuir um tripé, pode utilizar qualquer superfície plana como suporte, como bancos, muretas ou o próprio chão.

3 - Em modo manual, configure a velocidade do obturador em 1/15 de segundo e tente a técnica de panning, com um sujeito passando por você em ângulo de 90 graus. Tente várias vezes, pois não é muito fácil obter um bom resultado da primeira vez.

Por fim, compartilhe conosco o resultado de seus experimentos, suas dúvidas e comentários.

http://www.flickr.com/groups/calabocaeclica/



***

Gostou deste artigo?


A melhor referência para quem deseja aprender a tirar fotos melhores.